A coisa é genética…

japa-japeta-homem-chato-festaNão sei se um texto pode resolver alguma coisa na vida de um homem mala, afinal, eu realmente tenho uma teoria de que chatice é genética. Mas, como eu vejo que homens desprovidos de charme e magnetismo existem em números elevados, acho justo tentar ajudá-los a – pelo menos – descobrir que fazem parte dessa leva.

O cara chato é aquele cara que não é, necessariamente feio ou muito magro ou muito alto. O cara chato é aquele sem semancol, normalmente grudento e, pior que isso, insistentemente engraçadinho.

Ah os engraçadinhos… Como eles deveriam ter umas aulas de etiqueta… Porque, na teoria, a coisa é simples: não tente fazer graça, o humor é algo natural, simples assim. Tem aquele ser que nasceu com o dom das tiradas rápidas, aquele outro que é ótimo no uso das ironias, com os trocadilhos, e um terceiro que tem até feições cômicas. E, infelizmente, meu querido, se você não nasceu com nada disso, vá estudar, ler mais, tentar ser interessante de outras formas. Agora, se o ponto é mais embaixo e você simplesmente não sabe se é um deles… vamos analisar.

Você conta muitas piadinhas prontas e normalmente deixa o pessoal sem graça por não ter achado engraçado o que você acabou de falar? Você é um mala. Você manda quatro (ou mais) mensagens no mesmo dia (mesmo sem obter respostas) para aquela mulher que você pegou ontem? Você é chato. Pior, você confunde um simples SMS com um diário de como foi seu dia? Meu caro, controle-se porque, definitivamente, você faz parte da patota. Ligações seguidas (também sem respostas), olhinhos virados com algo que você acabou de dizer ou simplesmente a fuga, sem motivo aparente, o diagnóstico é um só.

Homens chatos podem ser bonitos, gostosos, loiros de olhos azuis, mas nunca serão interessantes. Se minha teoria está errada (torça para ela estar) você, que já percebeu que tem potencial e se encaixa na descrição, pode tentar mudar. Risadas esquizofrênicas, muito romantismo sem a menor necessidade, piadas constantes e contínuas, fora! Gírias em excesso e, mais uma coisa, que me arrepia a espinha só de pensar: os diminutivos. Se você é homem mesmo, nada de “fofinha, vamos comer uma comidinha bem gostosinha”ou “princesinha, hoje você está especialmente charmosinha”… OUT! Quem sabe assim… Nós conseguimos salvar o que resta de bom em você, certo?

Mas, se nada tem solução e você é tão chato que nem percebeu que se encaixa nesse nicho, a luz no fim do túnel (ainda) existe. Afinal, a genética não castigou só o sexo masculino. Ou seja, una-se a uma mala, daquelas que ninguém suporta, e seja feliz!

Anúncios

9 comentários sobre “A coisa é genética…

  1. Vitor disse:

    Vou recomendar esse texto pra váááárias pessoas que conheço. Pode ser que, enfim, eles se toquem. Ou não.

  2. Lissandra Pelizaro disse:

    hahahha mais um texto sensacional!!! O próximo cara que eu me relcionar, vou passar o blog para ele! ahahaQuem sabe não dá certo!!! ahaha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s